A mente controla o corpo

A mente controla o corpo_Paula Menezes

Finalmente a buzina tocou e partimos. De uma hora para outra, entrei na prova, foquei e já não estava mais abalada com o nervosismo. O primeiro trecho era na areia e achei tranquilo. Na sequência, veio a serra de Maresias, que é horrível, íngreme e longa. Porém, como eu já sabia o que esperar do meu corpo, me preparei para isso: sofri bem menos do que imaginei.

Subidas nunca foram o meu forte. Mesmo caminhando, perco o ritmo. A maioria das pessoas subiu a serra caminhando, para se poupar para o resto da prova. Além do mais, chovia bastante e o chão estava escorregadio.

Subi, subi, subi, até que vi, finalmente, uma placa: “verifique os seus freios”. Foi a M-A-I-O-R alegria, pois isso significava que a descida havia chegado. E na descida é só soltar o corpo ladeira abaixo. Recuperei bastante o meu tempo, descendo mais rápido, atenta ao chão escorregadio, mas sem medo de soltar o corpo. Lembro da música que estava tocando no ipod: “Don’t stop me now”, do Queen.

Como alegria de lesionada dura pouco, ao final da descida, quando dei uma freada para fazer a curva em direção ao primeiro PC (posto de controle), senti uma fisgada muito forte no joelho. A sensação era de uma faca entrando pelo lado de fora do joelho cada vez que eu tentava correr, ou seja, a mesma dor que tinha sentido no último treino longo. Era o atrito da banda iliotibial me atormentando novamente.

Por alguns segundos, fiquei totalmente em pânico. Não podia acreditar que a lesão não tinha melhorado. Tudo bem que fazia apenas 10 dias que estava em tratamento, mas eu vinha me sentindo bem melhor. O que eu não havia percebido é que, na verdade, nos últimos 10 dias, eu já vinha diminuindo muito o ritmo de treino (para poupar o corpo para prova). Então é claro que eu não sentia dores, pois praticamente corria apenas de forma leve ou caminhava.

Ainda faltavam 65km para terminar a prova e eu já sentia uma dor insuportável. Comecei a pensar o que eu poderia fazer para contornar aquilo e lembrei que o médico havia me dito que o causador dessa lesão é o movimento repetitivo de alavanca da perna. Isso aumenta o atrito e causa a lesão. Tive a ideia de evitar dobrar o joelho direito, assim não faria o atrito e não sentiria dor. Dei os primeiros passos com a perna direita reta e apenas alavancando com a esquerda percebi que a dor amenizava. Pronto, era assim que eu ia correr os próximos 65km, meio torta, ainda com dor, mas, pelo menos, eu não desistiria da prova.

Em se tratando de corpo humano, nem tudo funciona como queremos. Às vezes eu acabava jogando peso na perna machucada, dobrando o joelho e doía muito. Mesmo travando a perna na sequência, a dor não passava na hora. E aí comecei a entoar um mantra para me acalmar: “a mente controla o corpo”. Eu repetia sem parar. Não sei se era o mantra ou o corpo, mas a verdade é que, em muitos momentos, eu esquecia da lesão e não sentia nada.

Quando completei 20km, eu comecei a me sentir muito mal do estômago. Era visível que ele estava sufocado, pois dava para ver o inchaço pela blusa. Minha barriga começou a inflar e nada digeria. Decidi evitar a bisnaguinha e tomar o gel. Assim, me manteria suplementada a cada meia hora como planejado, mas conseguiria diminuir o inchaço até que tudo comido fosse digerido.

Quando completei 30km, a minha equipe de apoio não me encontrou no PC. Isso significava correr até o km 42 sem água e com apenas um carbogel extra, acompanhada de indigestão e dores terríveis no joelho. Comecei a pedir “doações” pelo caminho, e ganhei 1 Gatorade e um pouco de água. Ao invés de me desesperar, naquele momento, enxerguei a situação como algo positivo. Pensei: “quando chegar no próximo PC, terei completado 1 maratona, com muita dor, muito mal-estar e mal suplementada. Isso só vai me fortalecer ainda mais”.

Eram 14km de areia apenas. Eu, as dores e nada. A certa altura, fui tomar o Gatorade e vomitei. Tomava água e vomitava. Nada parava dentro de mim. Então comecei a pensar como contornar aquela situação. Lembrei da minha nutricionista dizendo que, mais do que seguir à risca o planejamento alimentar, eu tinha que escutar o meu corpo. Portanto, ao invés de me alimentar a cada 30 minutos como planejado, eu decidi me alimentar a cada 45 minutos, para tentar dar mais tempo à digestão.

Nos momentos de maior desespero, eu entoava meu mantra e lembrava da razão daquilo tudo. Mentalizava que o meu propósito era muito maior que a minha dor, e que havia pessoas maravilhosas (pacientes, amigos e familiares) me esperando na linha de chegada. Era simplesmente inaceitável me render àquela adversidade. Eu seguia a cada passo me fortalecendo mais.

A minha playlist era a mesma dos treinos. Então, ao ouvir as músicas, buscava resgatar tudo que havia passado no último ano me preparando para o desafio, o que aquele gesto representava para os pacientes, quantas pessoas maravilhosas foram colocadas na minha vida, quantas mais se engajaram com o projeto. Lembrava da minha mãe, sempre guerreira, dizendo que ia vencer a Hipertensão Pulmonar, pois ela era muito maior que o pulmão. Imaginava o que ela sentiria ao me ver cruzando a linha de chegada, quão orgulhosa ela estaria se pudesse presenciar isso.

A cada km, o mal-estar físico só aumentava. No km 50, eu estava à beira de um colapso: muito inchada, sem conseguir me alimentar, com dores em tudo. Eu não percebia que a minha saúde estava debilitava. Realmente não passou pela minha cabeça que a minha vida poderia estar em risco.

Acho que o fato de não admitir desistir me cegou. Eu sempre dizia que só pararia de correr se morresse. E levei à risca na prova. O meu pensamento sempre foi que aquilo tudo era para honrar os pacientes e passar coragem a eles. Eles não podem desistir, pois a desistência significa a morte. Eu, portanto, não poderia me dar a chance de parar. Eu tinha que vencer os meus limites, assim como os pacientes. Eu sabia que cruzar a linha os faria se sentir amados, representados, e daria a eles um novo fôlego para continuar lutando diariamente. Eu precisava proporcionar isso a eles. Fazê-los entender que estou ajudando nesta luta, de corpo e alma.

Apesar de eu não estar correndo tão rápido, encontrava-me muito ofegante. A Marina entrou para ser minha pacer nos últimos 25km e foi me acalmando. A entrada dela foi perfeita, pois pude fazer a maior parte da prova sozinha, com minhas divagações sobre a vida, mas, à beira de um colapso, pude delegar a alguém a preocupação com a prova. Lembro de falar para ela que ditasse o ritmo, e pedi apenas que me entregasse a tempo.

Assim ela foi dando as coordenadas de quando correr, quando caminhas etc. Ela foi me incentivando, sendo solícita aos meus pedidos de água e comida. No km 65, eu praticamente não conseguia mais falar. Estalava os dedos quando queria chama-la e fazia sinal do que queria: água, comida, baixar o ritmo e outros. A dor era tanta que a minha vontade era cair deitada no chão. As articulações todas doíam, especialmente o quadril, pelo fato de ter corrido toda desequilibrada para minimizar a dor no joelho. A pele, de tão inchada (terminei a prova com uns 7kg a mais) parecia que ia rasgar, de tanto que sentia esticada. Era como se o meu corpo não coubesse na minha pele. TUDO doía intensamente, do queixo aos pés, encharcados de lama e chuva.

Diante de tanto sofrimento, eu apenas queria minimizar o tempo para tudo acabar. Mas eu simplesmente não conseguia mais correr. Os joelhos, não dobravam, os braços e mãos estavam inchados demais e eu não conseguia fazer o movimento para correr, e os meus pensamentos estavam todos desordenados. Às vezes eu chorava sem perceber, às vezes me perdia nas contas de quantos km faltavam. A sensação que eu tinha era de estar sendo levada, de alguma forma, sozinha, em uma praia cinzenta, chuvosa, sem enxergar o pórtico da chegada. Eu apenas ia, na esperança de, a cada passo, poder enxergar a razão de tudo aquilo: os pacientes.

E assim, vencendo todas as barreiras, ao lado da Marina, que seguia carregando a minha água, minha comida e me transmitindo coragem o tempo todo, avistei, de longe, uma pessoa acenando para nós. Era a Cris Uehara, sorridente, feliz. Apesar de eu estar quase inconsciente naquele momento, lembro exatamente das palavras dela: “tem um monte de gente te esperando lá”. Foi o que bastou para eu entender que eu estava quase “lá”, no fim da jornada, na cereja do bolo, no abraço e no sorriso que tanto sonhei.

Poucos minutos depois, vi o Ricardo (meu marido), meus amigos e a equipe de apoio, que vieram filmando e correndo comigo. Olhei para o relógio da prova e li “10 horas, 50 e poucos minutos”. Nós tínhamos 11 horas para terminar e chegamos na risca. Foi um alívio!

Quando passei pelo pórtico, desabei a chorar, apoiada na grade. Eu nem tinha visto que os pacientes estavam mais à frente na área coberta. Eu só chorava, acabada, com muita dor, física e emocional. Quando levantei minha cabeça, ouvi uma multidão gritando “Paula, Paula, Paula”. Até hoje choro de lembrar. Lá estavam eles, a razão de tudo, a minha força nos 75km, os pacientes e familiares, que saíram de diversos lugares do Brasil, apenas para nos prestigiar. Faltam palavras para verbalizar o que eu senti. A rigidez do meu corpo não me deixava mais dar um passo, a fortaleza da minha mente já havia desmoronado, e eu chorava sem parar. Cada um deles se aproximou para me dar um abraço e agradecer.

Sem dúvida, uma das emoções mais fortes que já senti. A hipertensão pulmonar levou a minha mãe para sempre, mas me trouxe muitas pessoas maravilhosas. Posso dizer que me senti inteiramente amada naquele momento, e só tenho a agradecer por ter tantas pessoas ao meu lado. Não foram apenas pacientes, mas familiares, amigos, e pessoas que nem sabiam o que era hipertensão pulmonar até conhecerem o Team PHenomenal Hope Brasil. Não há nada mais incrível do que sentir a força da união e do amor. É transformador, acredite.

*Paula Menezes, presidente da ABRAF e líder da equipe Team PHenomenal Hope Brasil

Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

É free, é para VOCÊ ...

Apoie este projeto no Catarse

Testes, planilhas e mais...

Nosso canal no Youtube

Fechar Menu
×
×

Carrinho